Homenagem aos Caboclos
e Caboclas

girassóis

Homenagem ao Caboclo da Lua

 

A madrugada, é o momento lírico do encontro da alma. Do eu interior, com o mundo silencioso, ornamentado pelo firmamento. No brilho das estrelas, no imaginável que é o infinito, o ser se encontra mais perto de um ente superior. Deus. Tão necessário, tão questionável, mas tão indispensável.

 

Espaço nos parece mais leve, mais sutil, e o coração pode expandir em realidade, todo o seu sentimento. E a sensibilidade vem mostrar, a pureza de sentimentos, muitas vezes guardada pelo excesso de afazeres, de um mundo Material. A Aurora de um novo dia, é o reinício de mais uma jornada, de mais uma etapa a ser cumprida.

Feliz é aquele que entende, o quão bela é a vida, e a existência de um ser perfeitamente harmonizado. No dia a dia, as atribulações muitas vezes, nos tiram a harmonia para com as nossas entidades. Mas um momento de silêncio, de reflexão, encontramos a presença magestoza de alguém que nos orienta, nos assiste, nos intui.

 

A presença se faz verdade. E na madrugada, vos encontrei, meu querido Caboclo da Lua. Meu pai, meu amigo. Recebo vossas orientações, ensinando-me a percorrer um caminho difícil, porém amplamente recompensado em minha caminhada nesta passagem terrena. Onde a compreensão, o perdão, a ajuda para com o semelhante, devem estar presentes.

De um espaço infinito, de uma grandeza espiritual, a vossa presença é um marco, na vida de quem por vós renuncia, ajuda, busca através da caridade, merecer a vossa proteção.

Menino que fui, Homem que sou. Porém continuo um menino, perante o meu Pai.

Quão feliz seria, se pudesse transmitir a todos a Fé, a certeza, a verdade, a vitória que vós transmitísteis a todos que vos buscam e compreendem.

Quão seria belo o amanhecer, para aqueles que tem na vossa presença, o seu equilíbrio. No seu equilíbrio mental, espiritual, físico. E que após uma madrugada, pudessem dizer....


"Bom Dia! Meu Amigo, Meu Pai, Caboclo da Lua"



-- Babalorixá Paulo Newton de Almeida --

Homenagem ao Caboclo Cobra Coral

 

Já vosso nome, dentro da espiritualidade, pode muito nos dizer: sois vibrante, colorido em vosso modo de vir. 

Em vossa alegria conhecemos o mundo bem melhor; em vossa contagiante simpatia, vemos a vida diferente. Em vossos conhecimentos nos apoiamos nas nossas necessidades; no vosso poder curamo-nos das nossas fraquezas; nas vossas verdades jogamos fora nossas incredulidades. 

 

Hoje, mais do que nunca, vimos reverenciar-vos, nosso querido Cobra Coral que, tomando a forma de um índio valente, voltastes até cá, na humildade que somente vós mesmos sabereis aquilatar, pois vindo até nós, tendes de baixar vosso nível de conhecimentos, para que possamos vos alcançar e entender. 

 

Como poderemos agradecer tudo que nos tendes ensinado? Como poderíamos entender nossa religião sem um Cobra Coral que, muitas vezes, faz com que seus filhos saiam do mais depressivo momento, levando-os, logo após, ao mais agradável e otimista estado de alma?

Ah, como seria difícil viver sem a vossa presença, como seria impossível acreditar na espiritualidade, como seria vazia uma gira sem Cobra Coral. 



-- Babalorixá Paulo Newton de Almeida --

Homenagem ao Caboclo Arranca-Toco

 

Nas Asperezas dos caminhos da mata, entre ramos espinhosos, feras bravias e serpentes venenosas, vivestes. Nesta terra de onde os perigos se apresentavam a cada instante, temeste. Hoje, depois de teres galgado o rochedo dificultoso numa escala íngreme, temerosa e cheia de sacrifícios, chegaste ao alto  podendo observar teus filhos que passam esperançosos em busca da realidade de seus sonhos.


Que guardaste dos dias de lutas deste passado?


Que agruras ou as emoções deleitantes desta passagem?


Destes mistos momentos deixa que também possamos compartilhar, e contigo privar da compreensão sublime da espiritualidade para com tua vibração nos sentimos iluminados por esta já alcançada luz.


Salve a Força do Caboclo Arranca-Toco!



-- Babalorixá Paulo Newton de Almeida --